quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Uma dentada que se adora e odeia

Pelo segundo ano consecutivo a Apple é considerada a marca mais valiosa do mundo. Mais do que a Google - que ficou em segundo lugar. Mais do que a Coca-Cola. Ou a Microsoft.

Quem o atesta é o relatório "Best Global Brands" - http://bestglobalbrands.com/2014/ranking/ - da Interbrand Consultancy, que teve três critérios principais como base para a sua análise: 1. o desempenho financeiro dos produtos da marca, 2. a capacidade de influência da marca na decisão de compra e 3. a capacidade de, com os dois primeiros, "puxar" os preços dos mesmos produtos para cima.



Ainda há dias se gerou numa mesa de que fiz parte a conversa do porquê de existirem tantos críticos viscerais à Apple. Com efeito, há malta com um odiozinho enraizado que se dedica de coração a deitar a marca abaixo, de forma até bastante pública e declarada.

Uns falam de "dor de cotovelo de quem não chega lá e queria"; outros de "aquilo é mais Marketing do que outra coisa". "Vendem-se que nem pães quentes com chouriço mas são uma nódoa em sustentabilidade ambiental", já ouvi... E depois há os radicais: "Não quero nada desses senhores, nem dado!" - Andreia Gonçalves, esta é tua :)

Afinal, em que é que ficamos?

A maioria parece anuir que o legado de Steve Jobs vale o que pedem por ele. Eu própria sou possuidora de vários equipamentos da maçã com dentada e não tenho razões de queixa. Os cães ladram e a caravana avança?  

4 comentários:

AGT disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
AGT disse...

Só tenho um comentário a fazer... sent from my iPhone. :p

AndreiaMG disse...

Depois de me desafiares a comentar...cá estou ;-) Adoro tecnológicas!!!Quando tenho um novo gadget na mão,gosto de explorar todas as suas potencialidades...gosto de instalar e desinstalar as aplicações (nomeadamente aplicações criadas por curiosos da programação que se lembraram de criar uma aplicação que nenhuma grande companhia se lembrou de criar ou se se lembrou fá-lo por um preço absurdo) que bem apetecer,gosto de ver e ouvir os formatos de ficheiros que bem me apetecer,gosto de partilhar ficheiros com que me apetecer (independentemente do telemóvel que este ou esta está a utilizar)...das experiências que eu tive com a marca da maçã comida à dentada,consegui fazer isto...não, de todo!!!Os telemóveis dessa marca têm um design lindíssimo?...sim!!!Tem um ecrã e uma maq fotográfica fantásticos?...sim!!!É super fluído?...sim!!!Faz o que eu quero que um gadget faça?...não!!!Relação qualidade preço é boa?...na minha modesta opinião,não...os preços são absurdos!!!Acho uma marca demasiado snob para o meu gosto onde no gadget não posso fazer o que eu bem me apetecer...só posso fazer o que a eles bem lhes apetecer!!!Podia ter um telemóvel neste momento desta marca?...podia!!!O meu telemóvel custou-me exactamente o mesmo preço que ne custaria um telemóvel desta marca...trocaria o meu telemóvel por um telemóvel dessa marca...NÃO!!!Destesto sentir-me limitada...detesto marcas que tentam limitar-me!!!Mas vou corrigir aquilo que te disse...se me quiserem dar um...niceeeeee...venderei num site qq e comprarei um que faça o que EU QUERO!!!

Nuno Mexa disse...

Andreia, estou com o que dizes, e gostava de acrescentar mais umas coisas.

A Apple passa a imagem de produtos muito limpos, uma empresa humanista, ao estilo de Steve Jobs, e as pessoas identificam-se com a marca. Acho que ninguém quer saber dos produtos que vendem, as pessoas querem fazer parte da marca e do que ela representa.

Certamente existem muitos ódios, eu pessoalmente tenho algumas críticas (e não ódios) à Apple, que não são exclusivas da Apple mas também são de outras grandes corporações.

Sendo a maior marca do mundo e uma das que maiores lucros tem, seria de esperar que tivessem uma postura diferente das outras (deveriam ser todas melhores, digo eu), em termos ambientais e em responsabilidade social.

Quem diz que é zero em responsabilidade ambiental, não é bem assim.
Recentemente a Apple foi uma das primeiras empresas do género a introduzir 100% de energias renováveis para o consumo de energia nos seus servidores. Do que as pessoas se esquecem ou não sabem, é que os servidores representam cerca de 2% da poluição gerada, sendo os 98% associados ao ciclo de vida do produto.

Até há pouco tempo sei que a Apple tinha montes de produtos químicos tóxicos que eram usados na montagem dos seus produtos, com os respectivos problemas de saúde a ficarem para os trabalhadores, utilizadores a longo prazo, e também para a contaminação dos solos, quando são deitados no lixo. Não sei se entretanto já os substituiram por outros menos problemáticos.

Também não nos podemos esquecer que a Apple tem vindo a passar uma imagem muito verde mas sabemos que todos os anos lançam produtos novos, muitas vezes com pequenas actualizações, e obrigam milhões de pessoas em todo o mundo a literalmente deitar no lixo os equipamentos antigos para comprar novos. Uma política de sustentabilidade ao nível das melhores do mundo sem dúvida. Sustentabilidade financeira claro, porque isto tem custos ambientais de que ninguém fala...

E em termos de responsabilidade social, tal como outras empresas do género, continuam a funcionar numa base de trabalho infantil e escravo. Nem me dou ao trabalho de colocar aspas na palavra escravo, pois trabalhar num complexo de fábricas durante 7 dias por semana, pago com pouco mais do que suficiente para sobreviver, muitas vezes sem sair da fábrica para ver os familiares que estão a grandes distâncias, dormindo e comendo num cúbiculo partilhado com mais 4 ou 5 pessoas e onde os suícidios são algo que acontece frequentemente, não fica bem na política de responsabilidade social de qualquer empresa. Mas lá está, a Apple não vende produtos, vende marcas.

Esta notícia que li há uns tempos, é um bom exemplo daquilo que se passa na terra dos sonhos, onde são feitas as maçãs:
http://www.telegraph.co.uk/news/worldnews/asia/china/9006988/Mass-suicide-protest-at-Apple-manufacturer-Foxconn-factory.html
A foxxconn é uma das maiores empresas de produção de equipamentos electrónicos, para várias marcas, e (dizem) uma das onde as condições de trabalho são melhores. Imaginem o que será trabalhar nas outras fábricas. Meus caros, são REDES, instalam redes nos parapeitos, para as pessoas não se suicidarem.

O que a Margarida escreve no final do seu comentário é um bom exemplo de como os seus clientes vêm a apple: "A maioria parece anuir que o legado de Steve Jobs vale o que pedem por ele."
Por instantes, até ela parece esquecer-se que o seu telemóvel ou "i qualquer coisa" foi feito, não por trabalho infantil ou escravo, mas pelo próprio Steve Jobs.

NM